" Este espaço busca estimular o diálogo e a troca de conhecimentos. Os textos publicados abaixo não representam a opinião da CONAMP. A responsabilidade é do autor da mensagem. Para publicar o seu artigo, envie o documento para imprensa@conamp.org.br. "

Quinta, 02 Agosto 2018 13:53

Os ataques ao Ministério Público

Escrito por Carlos Eduardo Vieira da Cunha

Por Carlos Eduardo Vieira da Cunha, procurador de Justiça do Rio Grande do Sul, ex-deputado. Artigo publicado originalmente pelo veículo Zero Hora  no dia 2 de agosto de 2018.

Já dizia o ilustre taquariense, dr. Lauro Guimarães: "duas espécies de pessoas atacam o Ministério Público: aqueles que não o conhecem, e aqueles que o conhecem muito bem". E arrematava: "os primeiros, ignoram nossas atribuições; já os segundos, são os que transgridem a lei, os delinquentes, cuja punição é nosso dever alcançar".

Fico pensando na reação do saudoso colega ao ler o artigo publicado, neste mesmo espaço, do advogado criminalista Cezar Bitencourt, que, tomando como base uma postura supostamente "arbitrária e prepotente" de um membro do Ministério Público do Rio de Janeiro em relação ao ex-governador Sérgio Cabral, atacou a instituição.

O articulista sustenta, em resumo, que o Ministério Público estaria exercendo um "excessivo poder institucional" que a Constituição não lhe teria atribuído, citando, como exemplo da tal "exacerbação de poderes", a Operação Lava-Jato. "São tempos bicudos que a sociedade espera não perdurem por muito tempo", arrematou o procurador de Justiça aposentado.

Tempos bicudos? Ora, colega, tempos bicudos eram os do autoritarismo, do fechamento do Congresso Nacional, do exílio, assassinatos e tortura, da hipertrofia do Poder Executivo (em grande parte ainda presente, vide a forma de indicação dos membros do Supremo Tribunal Federal), da falta de autonomia do Ministério Público, época dos "arquivadores-gerais da República", em que a sujeira da corrupção era varrida para debaixo do tapete.

Este é o "tempo bicudo" que a sociedade espera não volte mais!

Por isso é tão importante manter íntegra, altiva e combativa a instituição do Ministério Público, exatamente como o legislador constituinte a concebeu, independente, para que os seus membros possam bem se desincumbir das suas relevantes missões.

Missões estas, aliás, que não se resumem à esfera criminal, mas se estendem à proteção da criança e do adolescente, das populações indígenas, do meio ambiente, do alimento saudável, da educação de qualidade, do patrimônio público, e tantas outras, que fazem do Ministério Público uma instituição reconhecida e respeitada por uma sociedade farta dos desvios, da corrupção e da impunidade que nos desafiam quotidianamente.

O Ministério Público faz parte dos tempos de mudança, do respeito à lei e da efetivação da Justiça, novos tempos que a sociedade, tenho certeza, pelo menos a grande maioria, espera que perdurem para sempre.

Gostou deste artigo?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por email!

Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM

ASSOCIAÇÕES AFILIADAS



 

CONAMP Informa

CONAMP Notícias

Quer ainda mais novidades? Assine nossa newsletter!

Loading, please wait..