Quarta, 21 Novembro 2018 16:21

Em evento, ministro Nelson Jobim comenta memórias da Constituinte de 1988

O ministro Nelson Jobim, ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), participou nesta terça-feira (20) de evento realizado pelo Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) sobre os 30 anos da Constituição Federal de 1988. O presidente da CONAMP, Victor Hugo Azevedo, esteve presente.

Nelson Jobim, que participou da Constituinte de 1988, contou que a nova formulação do Ministério Público criada na época veio por conta da necessidade de haver um órgão independente do Poder Executivo e pela rejeição a uma figura chamada de ombudsman (uma ideia vinda da Suécia). “Até então, o Ministério Público integrava o gabinete da Presidência da República e diziam que era um órgão burocrata do Direito Penal. Então, achamos que deveria ocorrer uma separação. Havia um grupo que queria manter os procuradores da República como advogados da União, apesar da autonomia conquistada, mas essa ideia foi vencida politicamente”, contou.

Sobre o CNMP, Jobim relatou que, em 1988, já existia a intenção de criá-lo, mas houve uma reação de constituintes que impediu a aprovação. “Só em 2004, quando eu já era membro do STF, com a Emenda Constitucional nº 45, o Conselho foi incluído na Constituição Federal. Foi uma grande negociação política para desenhar o CNMP e o CNJ, um diálogo completo com todas as lideranças partidárias. Esses dois conselhos são importantes, pois estabelecem uma consistência administrativa dentro do sistema”, falou.

O ex-presidente do STF também classificou como difícil o momento atual do Brasil, por conta de um processo de intolerância que tem se agravado. “Na Constituinte, conversava-se com todo mundo, éramos tolerantes no diálogo. Você conversava com qualquer um que estivesse legitimado para estar ali do outro lado da mesa. Hoje, as pessoas não falam com aqueles que não concordam com elas”.

O evento contou também com a participação em vídeo de Ibsen Pinheiro, que foi peça de destaque na Constituinte. Procurador de Justiça aposentado, Ibsen é deputado estadual no Rio Grande do Sul e ex-presidente da Câmara dos Deputados. Para ele, a maior transformação feita pela Constituição Federal de 1988 foi a alteração do papel do Ministério Público. “Todo o texto constitucional valeu a pena, mas, sem dúvida, a definição do perfil e da estrutura do MP, com sua função essencial à preservação dos direitos, foi a grande inovação da Constituinte”.

Ibsen Pinheiro também disse ter mudado de opinião algumas vezes sobre o momento de início da Constituinte, mas, ao final, concluiu que ela havia sido formada no tempo certo, nem cedo nem tarde. “A Constituição Federal de 1988 não foi uma construção semântica ou técnica, foi uma catarse do sentimento nacional, relegitimando as instituições do País. Devolveu aos Três Poderes a legitimidade que o regime militar havia subtraído”, falou.

Com informações do CNMP

Não perca nenhuma novidade!

Fique por dentro das notícias sobre o Ministério Público

Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM

ASSOCIAÇÕES AFILIADAS



 

CONAMP Informa